Caso Sophia: pai é condenado pela segunda vez por matar filha

Publicado em

Ricardo Krause Esteves Najjar foi condenado nesta quinta-feira (25) a um ano, seis meses e 20 dias de prisão pela morte de sua filha, Sophia Kissajikkian Cancio Najjar, de 4 anos. O crime aconteceu em 2015, na zona sul de São Paulo.

Esse não foi o primeiro julgamento do caso. Em 2018, Ricardo foi condenado a 24 anos, dez meses e 20 dias de prisão.

Mas o tribunal foi anulado em 2020 por “contradição dos quesitos dos jurados”. Ricardo, então, passou a responder ao caso em liberdade.

No primeiro julgamento, Ricardo foi condenado por homicídio doloso, ou seja, quando há intenção de matar. O novo Conselho de Sentença, no entanto, reavaliou o caso e condenou o pai de Sophia por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Relembre o caso Sophia

Em 2015, a Polícia Civil concluiu que Ricardo Krause Esteves Najjar assassinou sua filha, Sophia Najjar. Ela foi encontrada morta com um saco plástico na cabeça, no dia 2 de dezembro, no apartamento do pai, na zona sul de São Paulo.

Segundo a investigação, havia a suspeita de que Sophia teria se sufocado acidentalmente, mas laudos do IML (Instituto Médico-Legal) mostram que ela havia sido vítima de agressão.

Segundo os exames, Sophia morreu sufocada por asfixiamento, teve o tímpano esquerdo rompido, sofreu um edema cerebral e ficou com 21 hematomas espalhados pelo corpo. A principal suspeita é que ela tenha sido morta após contrariar o pai.

Em depoimento, Ricardo afirmou que encontrou a menina caída ao sair do banho. Ele teria posto a criança sobre a cama e só então tentado tirar o saco que a sufocava. Ao perceber que havia sangramento no rosto de Sophia, ele teria ligado para pedir socorro.

Os policiais, no entanto, contestaram a versão do suspeito. Os dados do telefone de Ricardo mostram que ele teria ligado primeiro para o pai, para a namorada e só depois para o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

Em 2018, no entanto, a defesa de Ricardo conseguiu reverter a decisão, argumentando divergência no voto dos jurados.

De acordo com a decisão da 12ª Câmara de Direito Criminal da época, os desembargadores entenderam que houve uma “contradição dos quesitos dos jurados”.

*R7

*Foto: REPRODUÇÃO/ RECORD

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Usuários de aplicativos de mensagens são adicionados a grupos e recebem propagandas de jogos de azar

Usuários de aplicativos de mensagens reclamam que são adicionados...

São Paulo terá fim de semana frio e nublado; veja previsão

O fim de semana na cidade de São Paulo...

Clube rival do Mirassol coloca música de Iza para provocar Yuri Lima em partida

Durante o intervalo da partida entre Ponte Preta e...

PF vai fazer varredura em aparelhos de Ramagem em busca de mais gravações de Bolsonaro

As equipes da PF (Polícia Federal) vão fazer uma...
%d blogueiros gostam disto: