Free Porn
xbporn

China tem queda na população pela primeira vez em 61 anos

Publicado em

A população da China encolheu pela primeira vez em 61 anos no ano passado, em um sinal claro da crise demográfica iminente enfrentada pelo país, agravada por décadas da política que limitou a maioria das famílias a terem um único filho. É a primeira vez desde o período conhecido como a “A Grande Fome de Mao” em que há redução da população chinesa.

A agência nacional de estatísticas da China anunciou nesta terça-feira, 17, um declínio de 850 mil pessoas para uma nova população total de 1,41 bilhão. A taxa de natalidade atingiu o nível mais baixo já registrado, em 6,77 por 1.000 pessoas, abaixo dos 7,52 em 2021.

A última vez que a população da China diminuiu foi em 1961, após três anos de fome causada pela desastrosa política industrial do “Grande Salto Adiante de Mao Tsé-tung”, potencializada por inundações e secas.

Os esforços do governo para reverter a queda na taxa de natalidade começaram para valer em 2016, quando a política do filho único foi cancelada, aumentando o limite para dois filhos. Mas nem essa revisão, e nem um ajuste de 2021 para permitir três filhos, diminuíram a tendência de queda.

A China está diante de uma força de trabalho cada vez menor, que terá dificuldades para sustentar uma população que envelhece rapidamente. Sua posição como a nação mais populosa do mundo provavelmente será assumida pela Índia neste ano, de acordo com projeções da ONU.

Embora prevista há muito tempo, essa reversão chegou muito antes do esperado. Tanto os principais estudiosos chineses quanto as Nações Unidas estimaram, em 2019, que a tendência de queda não começaria até o início da década de 2030.

O reconhecimento oficial de uma população em declínio é um “ponto de inflexão histórico extremamente importante” não apenas para a China, mas também para o mundo, disse Yi Fuxian, estudioso da Universidade de Wisconsin-Madison e crítico de longa data do fracasso de Pequim em aceitar a extensão da sua crise demográfica.

Se não for abordada, argumenta Yi, o “rápido envelhecimento da sociedade chinesa prejudicará a visão de Pequim de si mesma como uma potência ascendente pronta para ultrapassar os Estados Unidos”. Uma perda de dinamismo econômico prejudica o atual modelo de desenvolvimento dependente de mão de obra barata do país, enquanto a falta de uma rede de seguridade social ou sistema de pensões robusto pode “evoluir para uma catástrofe humanitária”, disse ele.

Em entrevista ao jornal britânico “Financial Times”, o presidente e economista-chefe da Pinpoint Asset Management, Zhiwei Zhang, afirmou que cada vez menos a China vai poder confiar no fator demográfico como um impulsionador do crescimento econômico. Na opinião de Zhang, o desafio será passar o foco do volume para o valor. “O crescimento econômico terá que depender mais do crescimento da produtividade, que é impulsionado por políticas governamentais”, afirmou.

O perigo para o presidente chinês Xi Jinping é que sua busca pelo “rejuvenescimento nacional” termine em uma estagnação econômica semelhante à que tem atormentado o Japão desde os anos 1990. A nação do Leste Asiático, antes considerada rival dos Estados Unidos, é agora a sociedade mais idosa do mundo, com 29% da população com mais de 65 anos. Com uma força de trabalho comparável, a China também pode ficar aquém de sua ambição de se tornar um líder global.

Durante décadas, os líderes chineses entenderam que a demografia é o destino – e adotaram políticas extremas em resposta. A partir da década de 1970, os temores dos líderes comunistas de uma população em expansão superando a oferta de alimentos levaram a uma campanha que dizia às famílias que se casassem mais tarde, esperassem entre os filhos e tivessem menos filhos em geral. A taxa de natalidade caiu drasticamente.

Mas a liderança chinesa continuou apavorada com uma população superdimensionada. Sua solução foi a draconiana política do filho único, implementada em 1980. A política resultou em abortos forçados em massa, esterilizações e inserção de dispositivos intrauterinos.

Entre as muitas consequências não intencionais da política está um acentuado desequilíbrio de gênero, já que as mulheres grávidas fazem abortos seletivos por sexo. Isso resultou na China com uma proporção de sexo de 104,69 homens para cada 100 mulheres em 2022.

Uma sociedade construída em torno da família de um único filho também oferece apenas um suporte limitado para o cuidado da criança. Em várias pesquisas, os entrevistados citam regularmente os custos crescentes de uma família numerosa como o principal motivo para não ter mais filhos.

Isso é especialmente verdadeiro para os chineses que vivem em grandes cidades, muitos dos quais têm crenças radicalmente diferentes sobre casamento e parto em comparação com a geração de seus pais. Outras preocupações frequentemente citadas incluem a falta de creches disponíveis e salários mais baixos para as mulheres após o parto.

Nos últimos meses, os governos locais adotaram medidas de apoio para aliviar esses encargos financeiros. No ano passado, Xangai concedeu às mães 60 dias adicionais de licença-maternidade, além da folga garantida pelo Estado; a licença paternidade foi estendida para 10 dias. Na terça-feira, Shenzhen se tornou a mais recente cidade chinesa a conceder subsídios de 10.000 yuans (R$ 7.596) para casais que têm um terceiro filho.

Muitos acreditam que muito mais é necessário. Escrevendo no “Weibo”, o economista Ren Zeping pediu políticas imediatas para incentivar o nascimento, como subsídios para o parto, inclusão de tratamento de fertilidade no seguro social e melhores garantias de emprego para as mulheres. “A população é a questão futura mais importante e mais facilmente negligenciada [que a China enfrenta]”, disse ele.

Os profissionais ativos também enfrentam perspectivas de emprego cada vez menos atraentes, à medida que as décadas de rápido crescimento econômico da China chegam ao fim. Em meio à repressão do governo às indústrias de tecnologia e à riqueza excessiva, trabalhar como funcionário público de repente se tornou atraente porque é visto como uma carreira estável.

As autoridades também anunciaram na terça-feira que o produto interno bruto cresceu apenas 3% no ano passado, já que interrupções regulares provocadas pela política de “covid zero” prejudicaram o consumo, ao mesmo tempo em que o crítico setor imobiliário se contraiu. A expansão foi drasticamente menor do que os 5,5% almejados pelas autoridades. O desemprego entre jovens de 16 a 24 anos permaneceu alto, em 16,7% no ano, depois de atingir quase 20% em julho.

Os bloqueios severos aumentaram o mal-estar entre os jovens chineses. Um vídeo de um morador de Xangai dizendo aos trabalhadores de prevenção de coronavírus que “somos a última geração” se tornou viral nas redes chinesas em maio, com muitos internautas dizendo como a frase capturou uma sensação de desespero que eles também sentiam pela falta de um futuro desejável no qual eles pode trazer descendência.

A mesma frase foi amplamente divulgada no “Weibo” em resposta ao anúncio de terça-feira de um declínio populacional.

Índia

A ultrapassagem da Índia sobre a China no ranking dos países mais populosos do mundo pode ter impactos mais profundos sobre a geopolítica global do que significar uma mera menção enciclopédica. Ter a maior população do planeta aumentará o peso da Índia no cenário internacional, tornando seus interesses geopolíticos mais difíceis de serem ignorados.

Como apontou a “The Economist” em um artigo recente, um exemplo disso pode vir no âmbito das organizações internacionais. O fato da Índia não possuir assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, enquanto a China possui, por exemplo, passará a parecer mais anômalo.

O crescimento populacional também deve repercutir em fatores econômicos. Com média etária de 28 anos e uma crescente população em idade de trabalho, a Índia tem agora a chance de colher seu próprio dividendo demográfico, como fez a China nas últimas décadas.

A expectativa é que a Índia seja responsável, de hoje até 2050, por mais de um sexto do aumento da população mundial em idade de trabalho (entre 15 e 64 anos). Segundo previsão do Banco Estatal da Índia, o país deve se tornar a 3ª economia do mundo até 2029

Entretanto, a “Economist” pondera que a prosperidade indiana depende da produtividade da juventude do país, que têm índices menores que os chineses. “Menos da metade dos adultos indianos integra a força de trabalho, contra dois terços na China. Chineses a partir dos 25 anos têm em média 1,5 ano a mais de escolaridade do que indianos na mesma faixa etária”, diz a revista. (Com agências internacionais).

*Estadão conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Grávida, cantora gospel Camila Campos conta que câncer de mama se espalhou para os ossos

A cantora gospel Camila Campos, casada com o ex-jogador...

Aumento no preço da gasolina em Manaus vira alvo de investigação do MPAM

O recente aumento no preço da gasolina em Manaus motivou o...

Paris 2024: Tropa de elite que protegerá atletas de Israel durante os Jogos tem policial ‘Robocop’

Um esquadrão antiterrorismo de elite da França foi deslocado...