Com inteligência artificial, cientistas identificam composto poderoso para combater bactéria resistente

Publicado em

Pesquisadores do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e da Universidade McMaster usaram um algoritmo de inteligência artificial para identificar um novo antibiótico que pode matar o Acinetobacter baumannii, uma espécie de

O micróbio é frequentemente encontrado em hospitais e foi uma das principais causas de infecções em soldados feridos no Iraque e no Afeganistão. 

“A Acinetobacter pode sobreviver em maçanetas e equipamentos hospitalares por longos períodos e absorver genes de resistência a antibióticos de seu ambiente. É muito comum encontrar isolados de A. baumannii resistentes a quase todos os antibióticos”, diz em comunicado o professor Jonathan Stokes, da Universidade McMaster, um dos autores do trabalho.

Os pesquisadores usaram um modelo de aprendizado de máquina para avaliar se um composto químico inibiria o crescimento da A. baumannii e identificaram um composto que foi originalmente explorado como um potencial medicamento para diabetes.

O composto, chamado abaucina, revelou-se extremamente eficaz em matar a A. baumannii, mas não teve efeito em outras espécies de bactérias e tem uma capacidade de matar de “espectro estreito”, que minimiza o risco de bactérias que rapidamente desenvolvem resistência à droga.

Outra vantagem é que o medicamento provavelmente pouparia as bactérias benéficas que vivem no intestino humano e ajudaria a suprimir infecções oportunistas, como a Clostridium difficile, que causa uma inflamação intestinal chamada colite pseudomembranosa.

“Esta descoberta apoia ainda mais a premissa de que a IA [inteligência artificial] pode acelerar e expandir significativamente nossa busca por novos antibióticos. […] Estou animado porque este trabalho mostra que podemos usar IA para ajudar a combater patógenos problemáticos, como A. baumannii“, comemorou outro autor do estudo, o professor James Collins, do MIT.

O achado ocorre no momento em que o mundo vê surgirem cada vez mais bactérias patogênicas para as quais os antibióticos existentes já não funcionam adequadamente.

Stokes, Collins e a professora do MIT Regina Barzilay começaram a estudar, há alguns anos, como enfrentar esse problema usando aprendizado de máquina, um tipo de inteligência artificial que pode aprender a reconhecer padrões em vastas quantidades de dados.

Em outro estudo, eles treinaram o computador para identificar estruturas químicas que pudessem inibir o crescimento da bactéria E. coli, responsável por problemas estomacais.

Eles partiram de uma base de mais de 100 milhões de compostos, e o algoritmo encontrou uma: a halicina, que não apenas matou a E. coli mas também outras espécies bacterianas resistentes.

*R7

*FOTO: KATERYNA KON/123RF

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Usuários de aplicativos de mensagens são adicionados a grupos e recebem propagandas de jogos de azar

Usuários de aplicativos de mensagens reclamam que são adicionados...

São Paulo terá fim de semana frio e nublado; veja previsão

O fim de semana na cidade de São Paulo...

Clube rival do Mirassol coloca música de Iza para provocar Yuri Lima em partida

Durante o intervalo da partida entre Ponte Preta e...

PF vai fazer varredura em aparelhos de Ramagem em busca de mais gravações de Bolsonaro

As equipes da PF (Polícia Federal) vão fazer uma...
%d blogueiros gostam disto: