Em entrevista, Musk nega aumento de discurso de ódio na plataforma

Publicado em

O bilionário Elon Musk, dono do Twitter, negou em entrevista que haja um aumento do discurso de ódio e da desinformação na plataforma.

Falando à rede britânica BBC – com quem tem travado um embate nas últimas semanas -, Musk disse ainda achar “doloroso” ser dono da rede social.

Na entrevista, na sede do Twitter, em São Franscico, Musk disse achar que, desde que assumiu a plantaforma, há menos desinformação e notícias falsas – o que contrasta com estudos sobre o tema (leia mais abaixo). Ele afirmou estar colocando “muito esforço” para diminuir a desinformação e contas falsas na plantaforma.

“Há menos (discurso de ódio no Twitter) nestes dias porque eliminamos muitas contas robô. Não temos mais tantas (contas falsas) como tínhamos antes (de ele assumir a rede), porque eu tenho dado muita atenção à isso”, declarou à BBC.

A afirmação do bilionário foi feita um dia depois de que representantes do Twitter indignaram membros do governo brasileiro durante uma reunião.

No encontro, que ocorreu na segunda-feira (10) no Ministério da Justiça, em Brasília, representantes da plataforma no Brasil negaram achar que um perfil com foto de assassinos de crianças (perpetradores dos massacres em escolas) violasse os termos de uso da rede.

Disseram ainda que não se tratava de apologia ao crime – as contas foram elencadas na reunião pelo governo e mostravam não só imagens de crianças agredidas como ameaças e músicas enaltecendo ataques a escola.

Diante do posicionamento, o ministro da Justiça, Flávio Dino, e a assessora responsável pelo tema no Ministério, Estela Aranha, subiram o tom contra a rede. Os dois se mostraram indignados com o posicionamento descompromissado e pouco colaborativo do Twitter, segundo manifestação de três pessoas que estiveram na reunião.

Estudos citados pela BBC também apontam a tendência de que a disseminação das fake news aumentaram após Musk comprar a companhia, no fim do ano passado. Na entrevista, o bilionário não citou dados ou pesquisas que indicassem a diminuição de discurso de ódio e contas falsas na plataforma.

Embate com a BBC

Nas últimas semanas, Elon Musk vem tratavando um embate com a BBC por conta da forma como o Twitter descreve a rede britânica na plataforma – “mídia financiada pelo governo”. Na semana passada, a BBC – que é independente e é financiada por uma impostos públicos – se manifestou publicamente contra a designação e exigiu mudanças a Musk.

Na entrevista, o bilionário disse que irá mudar a frase, mas, até a última atualização desta notícia, a designação da conta da BBC no Twitter continuava a mesma – “mídia financiada pelo governo”.

*g1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Relator apresenta 3 sugestões para acabar com reeleição e criar mandato de 5 anos

BRASÍLIA – O senador Marcelo Castro (MDB-PI), relator do...

Filho suspeito de matar mãe espancada é encontrado morto em fazenda

Guilherme Roberto Otaviani Grasse, de 29 anos, foi encontrado...

Agências funerárias da Rússia não aceitam transportar corpo de Navalny, diz porta-voz; funeral será na sexta

Agências funerárias da Rússia estão se recusando a fornecer um carro...