Governo abre edital com 5,9 mil vagas para o novo Mais Médicos

Publicado em

O Ministério da Saúde abriu nesta segunda-feira (22) um edital com 5.970 vagas para o programa Mais Médicos em 1.994 municípios de todas as regiões do Brasil. As inscrições começam nesta sexta (26) e vão até 31 de maio. A prioridade é para profissionais brasileiros formados no país, mas médicos formados no exterior ou estrangeiros também poderão participar da seleção.

Os profissionais também passarão a receber incentivos pela permanência no programa e para atuarem em regiões de vulnerabilidade. Os médicos alocados nessas áreas, ao se manterem por 48 meses no programa, poderão receber incentivo de R$ 120 mil — equivalente a 20% do total recebido no período.

Além disso, as profissionais que se tornarem mães durante o período de atuação no programa terão direito à licença-maternidade de seis meses. O benefício se estenderá aos médicos que se tornarem pais, com direito a 20 dias de licença.

Segundo o ministério, o edital é para “recompor vagas ociosas dos últimos quatro anos”. Dos profissionais selecionados, mil serão alocados na Amazônia Legal.

O novo edital modificou o tempo de atuação dos profissionais de três para quatro anos, podendo ser prorrogáveis por igual período. A expectativa do governo é de que os profissionais comecem a atuar nos municípios no fim de junho. 

Retomada

O governo retomou o programa em março deste ano com a abertura de 15 mil novas vagas e pretende, até o fim de 2023, inserir 28 mil profissionais em todo o país, principalmente nas áreas de extrema pobreza. Segundo o governo, mais de 96 milhões de brasileiros terão acesso ao atendimento médico na atenção primária.

Atualmente, mais de 8.000 médicos atuam no programa, que foi criado em 2013, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e desde então passou por alterações. O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) reformulou o programa, e uma das maiores mudanças foi o término da parceria do governo federal com profissionais cubanos. Uma das críticas era de que o repasse dado aos médicos ia direto para o governo de Cuba.

Cercado de polêmicas, o projeto custou R$ 13 bilhões entre o ano de lançamento e 2017. Desse total, quase R$ 7 bilhões foram destinados ao pagamento do convênio para a contratação dos médicos cubanos que atuaram pelo programa no Brasil.

Desafios

Um dos principais desafios no atendimento às regiões de difícil acesso, que historicamente sofrem com a falta de médicos, é a permanência dos profissionais. Levantamento feito pelo Ministério da Saúde mostrou que 41% dos participantes do programa desistem, em busca de capacitação e qualificação.

*R7

*Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

São Paulo terá fim de semana frio e nublado; veja previsão

O fim de semana na cidade de São Paulo...

Clube rival do Mirassol coloca música de Iza para provocar Yuri Lima em partida

Durante o intervalo da partida entre Ponte Preta e...

PF vai fazer varredura em aparelhos de Ramagem em busca de mais gravações de Bolsonaro

As equipes da PF (Polícia Federal) vão fazer uma...

Passagem de meteoro clareia céu e “noite vira dia” no Nordeste; veja vídeo

O céu nordestino foi iluminado por um meteoro, no...
%d blogueiros gostam disto: