Itamaraty confirma morte de brasileira que estava desaparecida em Israel

Publicado em

O Ministério das Relações Exteriores confirmou, na manhã desta sexta-feira (13), a morte da brasileira que estava desaparecida em Israel desde o ataque a bombas do grupo terrorista Hamas, no sábado (7). Karla Stelzer Mendes, de 42 anos, é a terceira cidadã brasileira vitimada no confronto. “Ao solidarizar-se com a família, amigas e amigos de Karla, o governo brasileiro reitera seu total repúdio a todos os atos de violência contra a população civil”, escreveu o Itamaraty, em nota.

A carioca estava no festival de música eletrônica próximo à Faixa de Gaza que foi atacado pelo Hamas. A brasileira tinha cidadania israelense e morava no país com o filho, de 19 anos, que faz parte do Exército local.

Como as autoridades não tinham informações sobre o paradeiro de Karla, o governo brasileiro não descartava a hipótese de ela estar entre as pessoas mantidas reféns pelo grupo terrorista.

“Também recebemos essa informação e estamos procurando verificá-la. Não temos confirmação de que há reféns com nacionalidade brasileira”, informou o secretário de África e de Oriente Médio do Itamaraty, o embaixador Carlos Sérgio Sobral Duarte, no dia que Conricus fez a declaração.

Outras vítimas

Além de Karla, outros dois brasileiros também foram vítimas do ataque. Todos participavam de um festival de música eletrônica em Re’im, região próxima à Faixa de Gaza. Os terroristas invadiram o local com paragliders motorizados e abriram fogo contra milhares de jovens que se divertiam no local.

A primeira vítima confirmada foi Ranani Nidejelski Glazer, de 23 anos. Ele estava na mesma festa acompanhado de amigos e da namorada. O jovem morava em Israel havia sete anos e chegou a servir no Exército do país. 

Jovem morava em Israel havia sete anos e chegou a servir no Exército do país

REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

Ele chegou a compartilhar nas redes sociais imagens do primeiro dia do festival, que aconteceu na véspera dos ataques. 

A jovem Bruna Valeanu, de 24 anos, foi a segunda vítima encontrada. Bruna morava apenas com a mãe e a irmã no país do Oriente Médio. Uma corrente de solidariedade se formou durante o enterro da jovem, que ocorreu no dia 10 de outubro. 

Bruna Valeanu morava em Israel com a mãe e com a irmã

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @BRUVALEANU_

Para seguir tradição judaica do minyan, que exige a presença de pelo menos dez homens com mais de 13 anos em algumas cerimônias, a família pediu ajuda à população israelense. Eylon Levy, ex-conselheiro internacional da Presidência de Israel, esteve presente na cerimônia e registrou ruas tomadas com pessoas.

“As pessoas abandoraram os carros na rodovia e estão caminhando até o funeral de uma completa estranha porque querem confortar a família. Tudo isso sob a ameaça de mísseis. A humanidade pode ser despresível, mas também consegue ser maravilhosa.”

A guerra

O grupo palestino Hamas lançou no sábado (7) mais de 5.000 foguetes em direção a Israel e sequestrou corpos de soldados israelenses mortos em confrontos na fronteira, afirmou a ala militar da organização islâmica, enquanto Israel declarava estado de alerta de guerra.

*R7/FOTO/ REPRODUÇÃO/FACEBOOK/KARLA STELZER

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Golpe da vaquinha: veja momento em que mulher filma cunhada editando foto de criança doente para conseguir dinheiro

O Fantástico deste domingo (25) mostrou como agia o casal Luiz...

Mais de 20 motoristas são notificados por transporte rodoviário clandestino no AM

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados e Contratados...

Em aniversário do menino Edson Davi, família faz novo protesto no Rio

No Posto 4 da Praia da Barra, Zona Oeste...

Prazo para empresas entregarem relatório salarial termina nesta quinta

O prazo para empresas com mais de 100 funcionários...