Juiz autoriza prefeitura no AM a doar pescado, mas sem presença de candidatos

Publicado em

O juiz eleitoral Marco Aurélio Plazzi Palis autorizou, na quinta-feira (23), a Prefeitura de Manacapuru (município a 70 quilômetros de Manaus) a entregar dez toneladas do pescado Jaraqui a famílias carentes. A distribuição terá que atender algumas condições. Candidatos a prefeito e a vereador não poderão participar da ação social e nem poderão ter o nome divulgado.

Agendada para os dias 21 e 22 deste mês, a entrega do pescado foi proibida por Marco Aurélio por na terça-feira (21) por suspeita de prática de conduta vedada em ano eleitoral. O juiz tomou conhecimento da ação social pela própria prefeitura, que decidiu comunicar a Justiça após ser alvo de apuração por entregar, na semana passada, 56 toneladas de pescado sem comunicar a Justiça.

Inicialmente, o juiz considerou que a legislação eleitoral proíbe o município de distribuir gratuitamente bens, valores ou benefícios. Ele afirmou que a exceção são os casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior.

O juiz disse que não havia comprovação de que a entrega atendia uma das exceções. “Analisando detidamente o ofício da Procuradoria do Município, não se verifica a presença de documentos que comprovam o estado de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior”, afirmou.

A prefeitura esclareceu que o pescado, doado pelo governo federal em parceria com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), será destinado a pessoas de baixa renda e alta vulnerabilidade alimentar e nutricional do município e que a doação. “Tais toneladas foram doações destinadas ao Fundo Municipal de Assistência Social de Manacapuru”, disse a prefeitura.

Após receber as informações da prefeitura, o juiz decidiu liberar a distribuição, que deverá cumprir condições. Somente a população carente previamente determinada poderá receber o pescado e a prefeitura não poderá distribuir bens, valores ou benefícios além do peixe. Santinhos ou qualquer propaganda eleitoral estão proibidos na ação social.

O juiz proibiu promoção em favor de candidato, coligação ou partido. Candidatos a prefeito e vereador não poderão participar da distribuição do pescado e nem poderão ter o nome mencionado na ação social. A prefeitura terá que esclarecer que a ação é do governo federal. “Que isso fique bem claro na distribuição”, disse o juiz.

Marco Aurélio também determinou que a distribuição seja fiscalizada por servidores do TRE-AM (Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas), sendo vedado qualquer obstáculo ou embaraço à fiscalização.

Leia a decisão na íntegra:

Foto: Mohcileiros.tur/Divulgação/ *AM Atual

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Mulher morre atropelada enquanto praticava esporte na rodovia AM-070

Uma mulher, de 40 anos, morreu após ser atropelada...

Polícia Militar embarca mais de 500 agentes para reforçar segurança em Parintins durante festival

Mais de 500 policiais militares embarcaram, na manhã desta...

Inscrições para concurso do Ministério da Pesca começam nesta segunda-feira

As inscrições para o concurso público do Ministério da Pesca e Aquicultura começam...
%d blogueiros gostam disto: