Linhas Tortas: CANAPÉS E UÍSQUE

Publicado em

“Guerra é a “luta armada” entre nações ou entre partidos de uma mesma nacionalidade ou de etnias diferentes, com o fim de impor supremacia ou salvaguardar interesses materiais ou ideológicos. Pode ser, também, entendida como qualquer combate com ou sem armas” (Dicionário Oxford Languages). A Guerra é um ambiente de violência física, moral, política, social e religiosa. A Declaração de Guerra jamais será piedosa na sua essência. A atual situação político-social do país pode ser didaticamente comparada ao que ocorre no ambiente de guerra entre a Rússia e a Ucrânia. De um lado estão os aliados, ora parceiros ora neutros, mas nunca adversários, a Rússia e a China. Do outro lado está a Ucrânia e seus aliados, União Europeia (28 países), Inglaterra e EUA. Numa comparação didática, o Congresso Nacional seria a Ucrânia (partidos de Oposição ao governo), contendo internamente uma oposição de parte da Criméia no seu território (partidos do governo). Rússia e China seriam respectivamente, o Executivo e o Judiciário, em hipótese. As Forças Militares permanecem na angustiosa expectativa criada “entremuros”. Afinal, “a guerra é a continuação da política por outros meios”(Clausewitz). Por enquanto, a política tem o poder dos próprios meios. Os primeiros “100 dias” têm sido de acusações e defesas. Apontar “erros” do governo é o que mais faz a oposição de Direita. Cometer erros é o que mais faz o atual governo. Pelo menos sob a ótica da mídia de Direita. Briga de “rato” e “gato”. Passado esse período inicial com domínio de “atos de inquietação”, de um lado e de outro, agora está ocorrendo a formalização da “Declaração de Guerra”, que não se sabe onde vai dar. A questão central é a instauração da “CPMI de 8 de janeiro” marcada para iniciar após a leitura do documento de instauração em 18/04/2023, ontem. Essa leitura deveria ser comandada pelo Presidente do Senado, mas ele mudou a data para o dia 26, próximo. Segundo a oposição, foi uma manobra para “alterar” a lista de assinantes favoráveis à CPMI, via “benesses” de última hora sabe-se lá vindo de onde. Sinal de perigo? A “Declaração de Guerra” foi efetivada logo após a sessão do Congresso que redefiniu a tal data. Como “guerra é guerra”, a oposição “cruzará os braços” e não permitirá a votação de nenhuma pauta, obstrução total, tanto no Senado como na Câmara dos Deputados e demais Comissões. Ou seja, nada será votado até o dia 26/04/2023. Sem “braço amigo”, os Congressistas de Direita tomaram para si o direito constitucional que o voto do povo lhes outorgou, para defender o país e o seu povo das “garras” dos que “trocam” florestas e rios por “CANAPÉS E UÍSQUE”.

Por: Elias do Brasil / escritor e historiador, membro do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil (IGHMB) e articulista.

2 COMENTÁRIOS

  1. Elias do Brasil, mais uma leitura perfeita do quadro atual. A quebra de braço política é essencial na tentativa de amainar exarcerbações que os atores políticos insistem em provocar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Investigadores cercam fazenda após fugitivos de Mossoró serem vistos por moradores

Os investigadores da força-tarefa que buscam os dois fugitivos da penitenciária federal...

Número de bebês registrados sem o nome do pai chegou a 172 mil em 2023 no Brasil, o maior em 7 anos

O Brasil registrou mais de 172 mil certidões de nascimento sem...

Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 e quer buscar novas fontes

A Caixa Econômica Federal quer liderar as discussões do...

Criminosos invadem festa, incendiam local e matam rapaz com tiro no rosto

Um homem, de 34 anos, foi morto neste sábado...