Lucro líquido da Petrobras cai 47% no 2º trimestre e soma R$ 28,782 bilhões

Publicado em

A Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 28,782 bilhões no segundo trimestre deste ano, informou a companhia nesta quinta-feira (3). O resultado representa um recuo de 47% frente aos R$ 54,330 bilhões contabilizados no mesmo período de 2022.

Segundo a petroleira, os números são explicados, principalmente, pelos seguintes fatores:

  • desvalorização do petróleo tipo Brent no mercado internacional;
  • queda de mais de 40% nos crack spreads internacionais do diesel (diferença entre o preço do petróleo bruto e o produto derivado);
  • maiores despesas operacionais, especialmente com tributos e impairment (redução do valor de ativos).

O preço médio do Brent ficou em US$ 78,39 por barril entre abril e junho, uma queda de 31,1% na comparação com um ano antes, segundo o balanço da empresa.

“Estes efeitos foram parcialmente compensados por maiores ganhos de capital com venda de ativos, menores despesas financeiras — fruto dos ganhos com variação cambial devido à apreciação do real frente ao dólar — e menores despesas com imposto de renda”, informou a companhia.

Apesar do recuo no lucro, houve folga para o conselho de administração da Petrobras aprovar remuneração aos acionistas no valor de 1,149304 real por ação ordinária e preferencial, o equivalente a R$ 15 bilhões.

Em nota, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, declarou que a companhia “apresentou uma performance financeira e operacional consistente no segundo trimestre, mantendo sua rentabilidade de maneira sustentável e com total atenção às pessoas”.

“Vamos seguir trabalhando, focados no presente, mas também de olho no futuro, preparados para a transição energética justa e investindo no futuro da companhia e do Brasil”, disse.

Conforme o desempenho divulgado nesta quinta, o lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado da Petrobras totalizou R$ 56,7 bilhões no segundo trimestre, uma queda de 42,3% ante o mesmo período de 2022.

Já a receita de vendas da companhia somou R$ 113,8 bilhões, um recuo de 33,4% na comparação com um ano antes.

Mudança na política de preços

Este é o primeiro resultado divulgado pela empresa após o anúncio da nova política de preços dos combustíveis, em 16 de maio.

Desde então, a estatal não obedece mais à política de paridade internacional (PPI), que reajustava o preço dos combustíveis com base nas variações do dólar e da cotação do petróleo no exterior.

Agora, a empresa leva dois pontos como referência para a determinação dos seus preços:

  • o “custo alternativo do cliente, como valor a ser priorizado na precificação”;
  • o “valor marginal para a Petrobras”.

Na ocasião, o presidente da companhia, Jean Paul Prates, afirmou que a nova estratégia ainda teria o cenário internacional como referência, mas com um “filtro”, que busca amortecer choques externos.

“Nós vamos ter o efeito da referência internacional? Vamos, mas ele vai estar refratado numa série de possibilidades nacionais, no abrasileiramento dos preços, que vão fazer com que a gente consolide patamares antes de fazer reajustes”, disse Prates.

Foto: Reprodução

*g1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Céline Dion desabafa sobre síndrome em novo doc: “Tem sido uma luta”

Céline Dion apareceu publicamente na estreia do seu documentário I...

TJAM rejeita ação e mantém leis que proíbem sacola plástica no Amazonas

Os desembargadores do TJAM (Tribunal de Justiça do Amazonas)...

‘Prédio do Neymar’ em SC ganha mais 13 metros com pináculos e volta a ser o mais alto do país, aponta lista

Um prédio residencial de 81 andares em Balneário Camboriú, no...

PL fica com R$ 886,8 milhões e PT com R$ 619,8 milhões do Fundo Eleitoral

 O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) divulgou os valores do...
%d blogueiros gostam disto: