MP cumpre mandados contra suspeitos de manipular resultados de jogos do Brasileirão e cinco campeonatos estaduais

Publicado em

O Ministério Público de Goiás (MPGO) deflagrou na manhã desta terça-feira (18) a Operação Penalidade Máxima II, com o objetivo de obter novas informações sobre a organização criminosa suspeita de manipular resultados esportivos de jogos de futebol profissional, inclusive do Brasileirão Série A.

O MPGO não divulgou o nome dos envolvidos nesta fase da operação, por isso, o g1 não conseguiu contato com a defesa deles até a última atualização desta reportagem.

O grupo criminoso é suspeito de ter manipulado pelo menos 5 jogos importantes do Campeonato Brasileiro de Futebol do ano passado, além de outras 5 partidas dos campeonatos regionais, incluindo os estaduais de Goiás, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e São Paulo. Segundo o MPGO, as investigações estão em andamento para determinar a extensão da fraude.

O MPGO divulgou que estão sendo cumpridos 3 mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão em 16 municípios de 6 estados. Os mandados estão sendo cumpridos em Goianira (GO), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Pelotas (RS), Santa Maria (RS), Erechim (RS), Chapecó (SC), Tubarão (SC), Bragança Paulista (SP), Guarulhos (SP), Santo André (SP), Santana do Parnaíba (SP), Santos (SP), Taubaté (SP) e Presidente Venceslau (SP).

Entenda como agia o grupo

O MPGO, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Coordenadoria de Segurança Institucional e Inteligência (CSI), já apurou que o grupo criminoso conseguiu manipular resultados de jogos de futebol após subornar jogadores. A investigação mostrou que os jogadores recebiam entre R$ 50 mil e R$ 100 mil para que realizassem ações específicas durante as partidas.

A apuração mostrou que as manipulações aconteciam de diversas formas, veja exemplos divulgados pelo MP:

  • Visava assegurar a punição a determinado jogador por cartão amarelo, cartão vermelho e cometimento de penalidade máxima;
  • Assegurar número de escanteios durante a partida;
  • Assegurar o placar de derrota de determinado time no intervalo do jogo.

De acordo com o MP, há indícios de que as condutas solicitadas aos jogadores tinham como objetivo que os investigados conseguissem altos lucros em apostas realizadas em sites de casas esportivas, usando, ainda, contas cadastradas em nome de terceiros para aumentar o retorno financeiro.

*g1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Mais de 20 motoristas são notificados por transporte rodoviário clandestino no AM

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados e Contratados...

Em aniversário do menino Edson Davi, família faz novo protesto no Rio

No Posto 4 da Praia da Barra, Zona Oeste...

Prazo para empresas entregarem relatório salarial termina nesta quinta

O prazo para empresas com mais de 100 funcionários...

Cemaden alerta sobre chuvas fortes e risco de deslizamento em Manaus

MANAUS – O Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e...