Free Porn
xbporn

Pesquisa explica por que muitos esportes estão endurecendo suas políticas para aceitar mulheres trans

Publicado em

A inclusão de atletas mulheres trans – mulheres que foram designadas como do sexo masculino ao nascer – é uma das questões mais controversas nos esportes mundiais.

Órgãos internacionais e nacionais, equipes esportivas e os próprios atletas estão lutando para equilibrar a inclusão trans com a segurança e a justiça para as mulheres cisgênero.

O termo “cisgênero” refere-se a pessoas cuja identidade e expressão de gênero correspondem ao sexo biológico que lhes foi atribuído quando nasceram.

Em 2021, o Comitê Olímpico Internacional produziu o documento “Diretrizes sobre justiça, inclusão e não discriminação com base na identidade de gênero e variações sexuais.” Ele contém 10 princípios para orientar os órgãos esportivos a criar ou revisar políticas de inclusão de transgêneros relevantes para suas necessidades esportivas ou tipos de competição.

No entanto, recentemente, as organizações esportivas internacionais de rúgbi, críquete, ciclismo, atletismo, netball e natação endureceram suas regras, tornando as mulheres trans inelegíveis para competir em competições femininas de elite.

Mas por que essas novas regras estão em vigor e por que elas se aplicam somente a mulheres trans, mas não a homens trans?

Uma nova pesquisa realizada por mim e meus colegas pode ajudar a explicar.

A chave é a testosterona

testosterona é um hormônio que ajuda a desenvolver os órgãos reprodutivos masculinos e aumenta a massa muscular e óssea.

Em média, os homens adultos têm cerca de sete a oito vezes mais testosterona do que as mulheres adultas.

Os meninos geralmente têm melhores habilidades motoras, força e desenvolvimento muscular desde cedo. Eles sempre superam as meninas em habilidades com bola, corrida e salto.

Após a puberdade, os homens geralmente têm ossos maiores, mais massa muscular com maior força e potência, ligamentos e tendões mais fortes e corações e pulmões maiores do que as mulheres.

A diferença no desempenho esportivo e nas habilidades físicas que favorece os homens aumenta acentuadamente com a maturidade.

Quando as mulheres trans fazem a transição, elas tomam bloqueadores de hormônios para diminuir os níveis de testosterona e parecer mais femininas.

Para competir com mulheres cisgênero em muitos esportes, as atletas trans precisam manter seus níveis de testosterona abaixo de 10 nanomoles por litro (nmol/L) por um determinado período. O USA Volleyball, por exemplo, especifica 12 meses antes da competição.

Em alguns esportes, o limite agora é ainda mais baixo, de 2,5 nmol/L, por exemplo, no World Rowing.

Entretanto, as vantagens obtidas com a puberdade masculina não podem ser completamente apagadas, dando às mulheres trans uma vantagem fisiológica sobre as mulheres cisgênero.

Os homens trans em esportes masculinos não têm essa vantagem de desempenho. Mesmo com a terapia hormonal para aumentar a testosterona, eles raramente conseguem competir com as proezas físicas dos homens cisgêneros e, portanto, não representam uma ameaça às vitórias ou aos recordes esportivos masculinos em muitos eventos.

Consequentemente, pouquíssimos homens trans participaram de esportes masculinos de elite.

A inclusão pode ser justa e fisicamente segura para as mulheres?

A ciência sugere que, para eventos que dependem de velocidade, força ou potência, não é justo para as mulheres cisgênero incluir competidoras trans.

A diferença entre homens e mulheres nos atuais recordes mundiais de muitos eventos atléticos e aquáticos é de 4 a 16% a favor dos homens.

Por exemplo, nos 100 metros borboleta, a campeã de natação dos EUA, Missy Franklin, é nove segundos mais lenta do que seu colega do sexo masculino, Ryan Lochte, apesar de terem a mesma altura e envergadura de braços.

No levantamento de peso, o recorde mundial masculino é 30% maior do que o recorde feminino para o mesmo peso corporal. Na corrida de 100 metros rasos, cerca de 10.000 homens têm um melhor tempo pessoal mais rápido do que a atual campeã olímpica, Elaine Thompson.

Portanto, se uma mulher trans competir em eventos femininos, ela poderá estabelecer recordes que as mulheres cisgênero nunca conseguirão igualar.

Isso significa que pode haver menos oportunidades para as atletas cisgênero serem selecionadas para uma equipe, representarem seu país internacionalmente ou imitarem os feitos de modelos femininos.

Nossa pesquisa identificou 53 mulheres trans atletas que conquistaram lugares no pódio em 18 esportes diferentes em campeonatos nacionais ou internacionais em todo o mundo. Esse número é provavelmente subestimado devido aos direitos de privacidade.

A segurança física também pode ser um problema

Nos esportes em que o tamanho, a velocidade, a potência e a força são importantes, os corpos menores e mais fracos correm um risco maior de sofrer lesões. Isso é especialmente verdadeiro em esportes de colisão, como o rúgbi, ou em esportes de combate, como o boxe e as artes marciais.

Em 2020, o World Rugby foi o primeiro órgão governamental do mundo a restringir as mulheres trans com base em questões de segurança

Seguindo o exemplo, a União de Futebol de Rúgbi da Inglaterra, a World Athletics, a World Aquatics e a Union Cycliste International determinaram que somente mulheres trans que não passaram pela puberdade masculina podem competir, para garantir justiça e segurança.

Em abril deste ano, a World Netball anunciou que as mulheres trans não poderiam competir em competições internacionais pelos mesmos motivos.

Entretanto, alguns códigos australianos, como o críquete feminino, permitem a participação de trans em nível de elite.

Outros esportes, como a Federação Internacional de Basquete e o órgão regulador do futebol, a FIFA, ainda não publicaram suas diretrizes.

E quanto à integridade?

Recentemente, Sebastian Coe, ex-atleta olímpico e presidente da World Athletics, defendeu a proibição com base científica da World Athletic de mulheres trans no atletismo feminino de elite declarando “(mulheres cisgênero) precisam acreditar que são capazes de ir do playground ao pódio com alguma proteção”. Ele acrescentou:

Se for um julgamento entre inclusão e justiça, sempre ficaremos do lado da justiça.

Aqueles que estão do lado de Coe argumentam que a integridade de muitos eventos femininos será reduzida se o resultado puder ser influenciado pela vantagem biológica de uma mulher trans.

Qual é a solução?

Nos esportes em que as vantagens físicas, como o físico, a força ou a potência, não importam (como o hipismo), a biologia do atleta não é tão importante. Portanto, homens e mulheres trans podem competir de forma segura e justa contra competidores cisgêneros.

Mas, na maioria dos esportes, as atletas do sexo feminino devem poder competir em igualdade de condições.

Uma ideia é criar uma categoria “aberta” para todos os competidores: homens e mulheres trans e cisgêneros. O World Aquatics, a International Cycling Union e o British Triathlon introduziram esse modelo.

Essa pode ser uma maneira de incluir todos e, ao mesmo tempo, proteger a integridade dos esportes femininos.

Talvez essa seja a resposta.

Foto:Freepik/ *g1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Veranico e ar seco: veja a previsão do tempo para a última semana de julho em todo o Brasil

A temperatura deve se manter alta nos últimos dias...

Netflix supera expectativa e ganha 8 milhões de assinantes no 2º tri

A Netflix disse na quinta-feira (18) que adicionou mais...

Serviço Secreto diz que negou recursos extras a Trump apesar de reclamação

A equipe de segurança do ex-presidente americano Donald Trump...

Todas as violências contra mulheres cresceram no Brasil. Saiba por quê

Um estudo realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública...