TCE dá 48 horas para prefeito explicar gastos com show de Zé Vaqueiro

Publicado em

Sob risco de suspensão do show, o relator das contas de Manacapuru no TCE-AM (Tribunal de Contas do Estado do Amazonas), conselheiro Mario de Mello concedeu, em decisão monocrática, o prazo de 48 horas para que o prefeito de Manacapuru, Beto D’Ângelo, se manifeste sobre o contrato de show do cantor “Zé Vaqueiro”, atração da Feira Agropecuária de Manacapuru.

A contratação do artista custou ao município R$ 490 mil e ocorre em meio a situação de emergência pública causada pela vazante dos rios. O município de Manacapuru, até esta quinta-feira, está em estado de alerta.

O show de Zé Vaqueiro está previsto para ocorrer no próximo dia 14 de outubro, na I Expomanacá 2023 (Feira Agropecuária de Manacapuru).

A decisão do conselheiro Mário de Mello foi publicada no Diário Oficial Eletrônico desta quinta-feira (5), em edição extra, e está disponível em doe.tce.am.gov.br.

O conselheiro não conceder a medida de cautelar com pedido de suspensão do contrato feito pelo Ministério Público de Contas, assinado pelo procurador Roberto Krichanã. Segundo Mário de Mello, não compete ao TCE-AM suspender o contrato de forma imediata, mas, exclusivamente, à Câmara Municipal de Manacapuru.

No entanto, o relator das contas levou em consideração o estado de emergência decretado no Estado do Amazonas devido ao momento de estiagem.

Outro ponto que chama a atenção no contrato é a adoção da dispensa de inexigibilidade, que, apesar de poder ser considerada legal, deve ser investigada dado o cenário emergencial do estado, segundo o despacho

Conforme o relatório, tal cenário é o suficiente para que o caso seja investigado a fundo. “Considerando o interesse público envolvido, bem como a necessidade de obter maiores esclarecimentos sobre a temática em razão das proximidades do evento, entendo prudente e recomendável conceder prazo de dois dias úteis ao Prefeito, a fim de que o gestor apresente esclarecimentos e documentos do processo que celebrou o Termo de Contrato”, destacou o conselheiro Mario de Mello na decisão.

Com a decisão, o prefeito de Manacapuru, Beto D’Ângelo, tem o prazo de 48 horas úteis para apresentar a cópia integral do processo sobre a inexigibilidade da licitação escolhida no termo do contrato do artista e apresentar explicações ao relator. Caso o gestor não encaminhe os autos ou apresente irregularidades na documentação há o risco do show ser suspenso.

Foto: Divulgação/TCE

*Amazonas Atual

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Na Celac, Lula cita ‘carnificina’ e propõe moção pelo fim do ‘genocídio’ em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs nesta sexta-feira...

Soroterapia vira hit nas redes com promessas milagrosas, mas médicos alertam para falta de evidências e riscos graves à saúde

Você já ouviu falar em soroterapia? A suplementação, administrada...

GP do Bahrein: Verstappen leva primeira pole da F1 2024; veja grid

Treino é treino, classificação é classificação, corrida é corrida....

Homem é preso em flagrante pela PF por abuso sexual infantil, no Pará

Um homem foi preso em flagrante pela Polícia (PF) por...