USP em greve: reitor oferece adiantar 148 vagas de professores e negociação avança

Publicado em

A Universidade de São Paulo (USP) vai liberar mais 148 novas vagas para contratação de professores na expectativa de encerrar a greve de alunos, que começou há duas semanas. Segundo o reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior, são vagas para docentes efetivos que estavam previstas para o ano que vem e foram adiantadas. O anúncio foi feito em reunião nesta quarta-feira, dia 4, com os representantes dos estudantes grevistas.

Os alunos farão uma assembleia para decidir se continuarão a greve na segunda-feira. Segundo eles, algumas das reivindicações ainda não foram atendidas.

Em uma década, a universidade perdeu 800 professores, que não puderam ser repostos por crise orçamentária e por causa da pandemia. O problema se intensificou neste ano, com o cancelamento de disciplinas obrigatórias.

Em 2022, a reitoria havia autorizado a contratação de 879 profissionais, de forma escalonada, até 2025, mas adiantou as vagas para este ano após pedidos e pressões. Mesmo assim, os ânimos não se acalmaram e a greve eclodiu.

Nos últimos dias, a tensão aumentou com barricadas nas portas das unidades. Professores foram proibidos de entrar para dar aula e estudantes contrários à greve relataram hostilidades sofridas por colegas que apoiam a paralisação. O movimento nega qualquer tipo de violência.

Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), um professor ameaçou um aluno com uma faca nesta terça-feira. Os estudantes queriam paralisar em apoio à greve da USP e dos trabalhadores do Metrô, da CPTM e da Sabesp. A Polícia Civil e a reitoria investigam o caso. 

Reunião ‘produtiva’

Segundo os estudantes do Diretório Central de Estudantes (DCE Livre) que participaram da reunião nesta quarta, a conversa foi “produtiva e teve resoluções importantes”, mas ainda faltam pautas a serem debatidas, como o aumento das bolsas de auxílio e permanência e questões específicas da Escola de Artes e Ciências Humanas (EACH).

Uma nova conversa com a reitoria acontecerá na manhã da segunda-feira, dia 9, antes da assembleia-geral estudantil.

O reitor reiterou aos alunos que as unidades também poderão chamar professores temporários enquanto a contratação do docente efetivo não é finalizada. O processo de seleção costuma demorar meses pelo rigor e pelos prazos regimentais.

“A gente não vai parar enquanto eles não cederem tudo: professores e permanência”, disse o estudante Davi Barbosa, diretor do DCE Livre da USP. “Esses compromissos da reitoria hoje são conquistas do movimento grevista”, afirmou.

Nesta terça-feira, dia 3, a diretoria da São Francisco mandou comunicado aos professores recomendando aulas online entre os dias 4 e 11. A direção pediu ainda que não houvesse provas nem cobrança de frequência nesse período.

*R7/FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Investigadores cercam fazenda após fugitivos de Mossoró serem vistos por moradores

Os investigadores da força-tarefa que buscam os dois fugitivos da penitenciária federal...

Número de bebês registrados sem o nome do pai chegou a 172 mil em 2023 no Brasil, o maior em 7 anos

O Brasil registrou mais de 172 mil certidões de nascimento sem...

Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 e quer buscar novas fontes

A Caixa Econômica Federal quer liderar as discussões do...

Criminosos invadem festa, incendiam local e matam rapaz com tiro no rosto

Um homem, de 34 anos, foi morto neste sábado...