Após troca na Caixa, Câmara aprova texto-base do PL das offshores

Publicado em

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quarta-feira (25/10), o texto-base do projeto de lei que taxa rendimentos de offshores em paraísos fiscais. A votação havia sofrido uma série de adiamentos, mas foi concluída após o governo federal agradar o Centrão com uma troca no comando da Caixa Econômica Federal

O texto-base foi aprovado com 323 votos favoráveis, 119 contrários e uma abstenção O PL tramitava em regime de urgência constitucional e trancava a pauta da Câmara desde 14 de outubro. Agora, os deputados analisam os destaques sobre a matéria.

A análise do texto era vista como prioridade para o governo federal. Isso porque, após sancionada, a taxação de rendimentos de ativos em outros países poderá gerar mais de R$ 20 bilhões de arrecadação para os cofres públicos entre 2024 e 2026. A verba auxiliará o governo a cumprir a meta de zerar o déficit fiscal.

As chamadas offshores são fundos de investimentos baseados no exterior, geralmente em paraísos fiscais. O projeto de lei para regular estes fundos foi incluído à medida provisória (MP) nº 1184/23 que já tramitava na Câmara para taxar os super-ricos.

O relator da matéria na Câmara foi o deputado Pedro Paulo (PSD-RJ). Atualmente, investidores no Brasil são tributados, mas aqueles que investem fora do país escapam da tributação. A justificativa do projeto é dar mais igualdade à situação.

Troca na Caixa agradou Centrão

Na tarde desta quarta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) demitiu a então presidente da Caixa Econômica Federal, Rita Serrano. No lugar, ele nomeou Carlos Antônio Fernandes, indicado por Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados.

Em nota, o Planalto confirmou a demissão de Rita Serrano e disse que, na reunião, Lula agradeceu o “trabalho” e a “dedicação” dela no comando da Caixa Econômica.

Esta foi a terceira demissão de mulheres da gestão Lula para acomodar homens do Centrão. O primeiro corte no time feminino do governo Lula foi o da então ministra do Turismo Daniela Carneiro, em julho. No lugar dela, assumiu Celso Sabino, amigo próximo de Lira.

Depois, veio a demissão da então ministra do Esporte, Ana Moser, em setembro. No cargo dela, entrou o deputado federal André Fufuca (PP-MA), também apadrinhado por Lira.

Foto:Vinícius Schmidt/Metrópoles

*Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Na Celac, Lula cita ‘carnificina’ e propõe moção pelo fim do ‘genocídio’ em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs nesta sexta-feira...

Soroterapia vira hit nas redes com promessas milagrosas, mas médicos alertam para falta de evidências e riscos graves à saúde

Você já ouviu falar em soroterapia? A suplementação, administrada...

GP do Bahrein: Verstappen leva primeira pole da F1 2024; veja grid

Treino é treino, classificação é classificação, corrida é corrida....

Homem é preso em flagrante pela PF por abuso sexual infantil, no Pará

Um homem foi preso em flagrante pela Polícia (PF) por...