CPI vai investigar aumento de preço da dose da Covaxin

Publicado em

Integrantes da CPI da Covid no Senado vão investigar a elevação do preço das doses da vacina Covaxin nas negociações entre o Ministério da Saúde e as empresas Bharat Biotech e Precisa Medicamentos. A Bharat é a fabricante indiana do imunizante e a Precisa atuou como intermediária brasileira na negociação.

Conforme revelou o Estadão, documento do Ministério da Saúde informava que o valor da dose era US$ 10 por unidade, de acordo com reunião realizada em 20 de novembro entre representantes do governo e das empresas. Porém, o preço fechado no contrato foi de US$ 15, um porcentual 50% maior. O valor global do contrato, de R$ 1,614 bilhão (já convertida a moeda), saiu R$ 534 milhões mais caro do que o preço original.

“Nós vamos ter que investigar quem pediu para botar cinco dólares a mais nessa. Essa é uma denúncia muito séria, seríssima A CPI tem que investigar a fundo quem é que está tirando essas vantagens. Com certeza não é só o cara da Precisa”, disse o presidente da comissão, Omar Aziz, ao Estadão.

Nesta semana, a CPI agendou depoimentos de pessoas envolvidas nas negociações, como o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, e a servidora da pasta Regina Célia de Oliveira, apontada pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e pelo irmão dele, o também servidor da pasta Luis Ricardo Miranda, como responsável por autorizar a importação das vacinas

“A pressa em fazer a compra da vacina Covaxin, porque tinha essas vantagens, não era a mesma com a Pfizer, porque não tinha essas vantagens”, afirmou Omar Aziz.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que a CPI requisitará o acesso aos documentos revelados pelo Estadão. “Essa informação fortalece os indícios de corrupção que avaliamos que existem no caso Covaxin/Precisa”, disse Randolfe. “Mais um indício de sobrepreço na compra de vacina. Não faço prejulgamentos nem para condenar, nem para absolver. Agora, denúncia de roubo em vacina não é algo que se possa deixar de investigar”, completou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM).

‘Cronologia’

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) ressaltou que ainda existem fatos que precisam ser esclarecidos bem como toda a rede de pessoas envolvidas. Ele destacou que a Covaxin alterou o preço de comercialização da vacina no mercado internacional e chegou a informar ao Ministério da Saúde, mas a mudança só foi feita após assinatura de contrato com o Ministério da Saúde. “O que chama a atenção é a cronologia”, comentou.

A senadora Simone Tebet, que tem participado dos depoimentos da CPI da Covid-19, disse que a informação da elevação do preço é grave. “Os elementos probatórios só crescem. O aumento do preço da dose da Covaxin no meio da transação é um forte indício de esquema fraudulento, superfaturado, da tentativa de compra dessa vacina desconhecida’, disse a senadora ao Broadcast/Estadão. “O aumento faz parte dos esquemas de propina”, afirmou.

A Precisa Medicamentos havia informado que desconhecia “a existência” do documento do Ministério da Saúde em que foi registrado o custo de US$ 10 por dose da Covaxin. A empresa negou que tenha havido oferta nesse valor e disse em nota que “tentou obter junto ao fabricante a redução do preço, mas isso não foi possível”. Disse ainda que “o Brasil conseguiu o menor preço público internacional praticado pela Bharat Biotech em todo mundo.”

O Ministério da Saúde e a Bharat Biotech não haviam se manifestado sobre o assunto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Fonte Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Mais de 50 mortos por inundações no oeste do Afeganistão

Inundações repentinas no oeste do Afeganistão mataram pelo menos 50 pessoas nas...

Operações policiais matam 17 pessoas por dia no Brasil, mostra Mapa da Segurança Pública

Operações policiais realizadas no Brasil ao longo do ano passado...

Lista de prioridades para receber a restituição do IR 2024 muda após cheias no RS

O primeiro lote de restituição do Imposto de Renda 2024 começa...

Estudo do governo de 2015 previa aumento de 15% nas chuvas e inundações no Sul

Um estudo encomendado pelo governo da ex-presidente Dilma Rousseff...
%d blogueiros gostam disto: