Febraban montará grupo para estudar juros altos do cartão de crédito

Publicado em

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que irá montar um grupo de estudos junto ao Banco Central para avaliar possíveis medidas para reduzir os juros totativos do cartão de crédito. O assunto foi tema de uma reunião entre os representantes das instituições financeiras e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), nesta segunda-feira (17/4), em Brasília.

“Vão [Banco Central e Febraban] me entregar um cronograma de apresentação do estudo. Eu pedi celeridade, é uma preocupação do presidente Lula”, afirmou o ministro da Fazenda.

O presidente da Febraban, Isaac Sidney, declarou que a reunião com Haddad tratou apenas de um diagnóstico sobre a indústria do cartão de crédito e que irá elaborar um plano para tentar reduzir os juros do rotativo para o consumidor, mas a proposta será tratada diretamente com o Banco Central.

“Vamos construir um grupo de trabalho para podermos aprofundar tecnicamente quais são as causas do elevado juros do cartão de crédito, para poder atacar as causas e encontrar soluções corretas, soluções que possam selar pela racionalidade econômica”, ressaltou Isaac Sidney. Entretanto, ainda não há uma data para o lançamento do grupo.

“É um trabalho conjunto: governo, indústria de cartão de crédito e nós vamos aprofundar tecnicamente isso. Não é o momento de apontar caminho, não é o momento de discutir proposta, é o momento de aprofundar o diagnóstico”, acrescentou o presidente da Febraban.

A taxa de juros do cartão de crédito rotativo subiu seis pontos percentuais em fevereiro e atingiu 417,4% ao ano. A expectativa do governo federal é diminuir o percentual para reduzir o número de pessoas endividadas nessa modalidade.

Juros do cartão de crédito

O ministro da Fazenda destacou que a modalidade do cartão de crédito tem prejudicado principalmente a população de baixa renda.

“O desenho [do crédito do cartão rotativo] está prejudicando muito a população de baixa renda. Uma boa parte do que pessoal que está no Serasa hoje é por conta do cartão de crédito. Não só, mas é também por cartão de crédito. E as pessoas não conseguem sair do rotativo. É preciso encontrar um caminho negociado como fizemos com a redução do consignado dos aposentados”, afirmou Haddad.

O chefe da Fazenda anunciou que o governo federal deverá apresentar 14 medidas para destravar o crédito bancário nas próximas semanas, mas não apresentou detalhes.

*Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Número de bebês registrados sem o nome do pai chegou a 172 mil em 2023 no Brasil, o maior em 7 anos

O Brasil registrou mais de 172 mil certidões de nascimento sem...

Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 e quer buscar novas fontes

A Caixa Econômica Federal quer liderar as discussões do...

Criminosos invadem festa, incendiam local e matam rapaz com tiro no rosto

Um homem, de 34 anos, foi morto neste sábado...

Amazonas tem a maior alíquota de IPVA da história neste ano

s proprietários de veículos no Amazonas estão pagando meio...