Fiocruz recomenda uso de máscaras diante do aumento do volume de fumaça em Manaus

Publicado em

A Fiocruz Amazônia recomendou, nesta quinta-feira (12), o retorno do uso de máscaras, em Manaus, diante do aumento do volume de fumaça que vem atingindo a capital do Amazonas nos últimos dias.

Desde a quarta-feira (11), Manaus está encoberta por uma “onda de fumaça” decorrente de queimadas que vem ocorrendo nos municípios de Autazes e Careiro, segundo o Ibama. A situação, inclusive, levou universidades da capital a suspenderem as atividades presenciais. O ar na cidade é considerado de péssima qualidade.

Segundo a Fiocruz, a fumaça das queimadas e a poluição atmosférica podem afetar a saúde humana, e os efeitos negativos não têm sido associados apenas com problemas respiratórios, mas também com problemas nos olhos.

Além disso, o problema pode causar problemas na pele e até mesmo com doenças cardiovasculares e neurológicas, especialmente em grupos etários mais vulneráveis como crianças e idosos.

“O material particulado é o mais nocivo à saúde e pode atingir diferentes órgãos e tecidos do corpo humano, como olhos, nariz, garganta, pulmões e corrente sanguínea, para dar alguns exemplos. Uma particularidade que não podemos ignorar é que a fumaça das queimadas, mais visível aos olhos humanos em períodos críticos do ano, vem acompanhada de outros poluentes ambientais nocivos, como os gerados por veículos terrestres e aéreos, gás de cozinha, atividade comercial, agrícola e industrial, por exemplo”, disse o órgão.

Ainda conforme a Fiocruz, a exposição à fumaça pode ocasionar ressecamento e irritação do nariz, garganta e olhos, resultando em desconforto, dor, rouquidão, tosse seca, lacrimejamento e vermelhidão nos olhos. No entanto, a situação, se prolongada, pode agravar ainda mais o quadro.

“É importante chamar atenção que, em torno de 6,5 milhões de pessoas morrem anualmente, devido a poluição do ar. Inclusive, há uma crescente discussão acerca da necessidade de incluir a poluição do ar como causa contribuinte de morte nas declarações de óbito, pois a sua invisibilidade nas estatísticas oficiais corrobora com a negação dos efeitos catastróficos da atual crise climática no Brasil e no mundo”, alertou a Fiocruz.

Ainda segundo o órgão, é preciso voltar ao hábito de usar as máscaras de proteção, assim como na época da pandemia da Covid-19.

“Tal como na pandemia de Covid-19, para que as pessoas possam, de fato, se beneficiar da proteção contra a fumaça ou até mesmo de toda sorte de vírus de transmissão respiratória, como Sars-Cov-2 ou Influenza, o ideal é que sejam usados respiradores do tipo PFF2 ou N95, pois só esses equipamentos protegem ou filtram efetivamente micropartículas”, finalizou.

*G1/AM/FOTO: Heloise Hamada/g1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Na Celac, Lula cita ‘carnificina’ e propõe moção pelo fim do ‘genocídio’ em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs nesta sexta-feira...

Soroterapia vira hit nas redes com promessas milagrosas, mas médicos alertam para falta de evidências e riscos graves à saúde

Você já ouviu falar em soroterapia? A suplementação, administrada...

GP do Bahrein: Verstappen leva primeira pole da F1 2024; veja grid

Treino é treino, classificação é classificação, corrida é corrida....

Homem é preso em flagrante pela PF por abuso sexual infantil, no Pará

Um homem foi preso em flagrante pela Polícia (PF) por...