Free Porn
xbporn

Inflação do aluguel recua de novo, e contratos que vencem em junho não sofrerão reajuste

Publicado em

Os contratos de aluguel com vencimento no mês de junho não terão reajuste, de acordo com dados do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) apresentados nesta terça-feira (30) pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

A informação surge após o indicador responsável pelo reajuste da maioria das locações vigentes no Brasil apresentar variação negativa de 1,84% no mês de maio e acumular queda de 4,47% nos últimos 12 meses. Trata-se do menor patamar da história do indicador, apurado desde maio de 1990.

O percentual em questão é aquele que seria repassado às locações com aniversário de vencimento no próximo mês. No entanto, a maioria dos contratos possui cláusulas que barram o reajuste negativo do indicador, o que deve ocasionar a manutenção do valor pago atualmente.

O resultado corresponde à segunda baixa consecutiva apresentada pelo índice, o que não era visto na economia nacional desde o início de 2018. Os contratos vencidos neste mês de maio também não sofreram reajuste, após a queda anual de 2,17% do IGP-M.

A recente variação negativa da inflação do aluguel mantém a tendência de queda apurada desde maio de 2021, quando o indicador apresentava oscilação de 37% para as locações que venceriam no mês seguinte. Em abril do ano passado, o IGP-M subiu 1,41% e o índice acumulado no período anual foi de 14,7%, percentual repassado aos contratos de maio de 2022.

O cálculo do IGP-M considera a variação de preços de bens e serviços, bem como de matérias-primas utilizadas na produção agrícola e industrial e na construção civil. Por isso, a variação é diferente da apresentada pela inflação oficial, que calcula os preços com base em uma cesta de bens determinada para famílias com renda de até 40 salários mínimos.

André Braz, coordenador dos índices de preços do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), explica que a deflação foi influenciada pela redução dos preços de cinco grandes commodities (matérias-primas), que juntas respondem por aproximadamente um quarto do peso total do IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo). “Vale citar o comportamento dos preços do minério de ferro (de -4,41% para -13,26%) e da soja (de -9,34% para -9,4%)”, afirma ele.

A principal contribuição para esse resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,65% para -0,64%, no mesmo período. O índice relativo a bens finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, caiu 0,09% em maio, após alta de 0,80% no mês anterior.

*R7

*Foto: EDU GARCIA/R7 – 23.02.2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Aumento no preço da gasolina em Manaus vira alvo de investigação do MPAM

O recente aumento no preço da gasolina em Manaus motivou o...

Paris 2024: Tropa de elite que protegerá atletas de Israel durante os Jogos tem policial ‘Robocop’

Um esquadrão antiterrorismo de elite da França foi deslocado...

Doença de Newcastle gera medo e altera rotina em Anta Gorda

A descoberta de um foco da Doença de Newcastle em uma...