Viradouro, Mangueira e Vila Isabel são destaques no 2º dia do Grupo Especial do carnaval do Rio em 2024

Publicado em

Mangueira, Unidos de Vila Isabel e Unidos de Viradouro foram os destaques do segundo dia do Grupo Especial do carnaval do Rio de Janeiro em 2024, em uma noite marcada por muitos enredos que destacavam questões raciais e de negritude.

Mocidade, Portela e Paraíso de Tuiuti também desfilaram ao longo da noite desta segunda-feira (12) e da manhã desta terça-feira (13).

🎊 Quer receber notícias do carnaval no seu celular? Clique aqui para se inscrever nosso canal de WhatsApp

Apesar de alguns sustos com alegorias, nenhuma escola estourou no tempo de desfiles. E assim como aconteceu na primeira noite, o tempo se manteve firme e sem chuva.

O anúncio da escola campeã do carnaval do Rio de Janeiro será feito na quarta-feira (14). Já o desfile das campeãs acontece no sábado (17).

Desfiles do 2º dia:

  1. Mocidade
  2. Portela
  3. Vila Isabel
  4. Mangueira
  5. Tuiuti
  6. Viradouro

Depois de bater na trave do rebaixamento e ficar no 11º lugar em 2023, a Mocidade de Padre Miguel apostou no enredo “Pede caju que dou… pé de caju que dá!”. Como o próprio nome deixou claro, o desfile focou no pseudofruto brasileiro, e o costurou com diferentes pontos culturais do país.

A comissão de frente fez uma brincadeira com a banana abrindo caminho para o caju — e se destacou ao “teletransportar” uma dançarina da avenida para o meio das arquibancadas. A escola também contou com uma ala formada totalmente por homens gays, que faziam uma coreografia com leques.

A bateria empolgou com longos paradões, que permitiam que público e membros da escola se concentrassem no samba.

Um problema para tirar o abre-alas da área de dispersão gerou um atraso geral na escola, que teve de se apressar para finalizar seu desfile. No fim, completou a apresentação no último minuto do tempo limite.

A Portela falou sobre a importância do afeto e da ancestralidade feminina em uma história inspirada no romance “Um defeito de cor”, que se baseia na carta de Kehinde (Luiza Mahin), mãe do líder abolicionista e poeta Luiz Gama. Ana Maria Gonçalves, autora da obra, veio como destaque de um dos carros.

Décima colocada no carnaval de 2023, a escola teve um início de desfile tenso. O carro abre-alas apresentou problemas e entrou na avenida com algumas de suas esculturas quebradas. Outro carro que apresentou problemas durante o desfile foi o que representava o cortejo à rainha do Brasil (4ª alegoria) entrando na avenida com algumas partes danificadas.

A Portela encerrou seu desfile com muita emoção, levando 16 mães que perderam seus filhos pra violência em seu último carro. Entre elas estava Marinete Silva, mãe da vereadora Marielle Franco, assassinada em março de 2018.

A Vila Isabel, que ficou com o terceiro lugar em 2023, reeditou o enredo “Gbalá – Viagem ao templo da criação”. Mais de trinta anos depois, a escola fez uma releitura da obra, trazendo a mensagem sobre o mal que o ser humano pode fazer à terra, e ainda destacou que salvação está nas crianças.

Os pequenos foram destaque desde o início do desfile com uma comissão de frente trazendo seis crianças junto aos bailarinos e representando a esperança na restauração da harmonia do planeta.

Simbolizando a “luz da esperança”, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira vestia roupas cobertas de lâmpadas e projetores lasers, mas sofreu com problemas técnicos ao longo do desfile, como uma calça que não acendeu.

A alegoria que trazia plantas naturais e representava a Mãe Natureza também fez um efeito bastante curioso em meio a um desfile cheio de cores e efeitos luminosos, incluindo os corações pulsantes nas cabeças dos ritmistas da bateria. Autor do samba e presidente de honra da escola, Martinho da Vila apareceu no último carro da escola, representando o grande sacerdote.

Mangueira

A Mangueira apostou em uma homenagem a Alcione, que completa 50 anos de carreira, no enredo “A negra voz do amanhã” para tentar seu 21º título na elite carioca. A própria cantora puxou parte do samba no esquenta da escola ao lado dos puxadores.

Depois de uma comissão de frente que contou parte da história da artista e com passistas desafiadores da gravidade, o desfile levou diversas estrelas à Sapucaí. Logo na alegoria pede passagem, Maria Bethânia foi a primeira delas.

O quarto carro ainda levou diversos amigos da homenageada, como Taís Araújo, Regina Casé e atrizes que interpretaram Alcione no musical do teatro. A última alegoria foi estrelada pela cantora com uma coroa na cabeça.

A bateria foi mais uma a empolgar o público com inúmeras paradinhas, ritmadas por palmas. O samba manteve a empolgação da escola, que enfrentou alguns problemas com carros na entrada na avenida. Depois, teve outros incidentes na dispersão.

Tuiuti

Oitava colocada no carnaval de 2023, a Paraíso do Tuiuti levou para a avenida a história do “almirante negro” João Cândido Felisberto, líder da Revolta da Chibata.

O homenageado foi representado, em um dos carros, pelo entregador carioca Max Angelo dos Santos, que foi chicoteado por uma moradora de São Conrado, na Zona Sul do Rio, em abril de 2023.

Já a última alegoria da escola relembrou outros casos recentes de racismo no país, escrevendo em suas velas frases sobre os incidentes. “Jovem negro de 17 anos chicoteado por furtar chocolate” e “jovem negro sofre racismo em mercado na zona norte” foram alguns deles.

Mayara Lima reinou à frente da bateria, que vestia vermelho, representado o sangue dos marinheiros. Apesar de um carro travar na dispersão, não atrapalhou na saída da escola, que assim como todas as agremiações da noite, finalizou o desfile dentro do previsto.

Viradouro

Atual vice-campeã do carnaval do Rio, a Viradouro levou um enredo baseado nas crenças voduns de povos africanos e na força das mulheres que formavam a poderosa irmandade de guerreiras.

A comissão de frente chamou a atenção com uma enorme serpente, que surgia entre o balé e deslizava pelo chão da Sapucaí. O terceiro carro da agremiação, representando a proteção, mística e lealdade, foi todo feito com ferro-velho do barracão.

A bateria do Mestre Ciça, que representou a Revolta dos Malês, incluiu o toque em atabaques em suas batidas. Erika Januza desfilou à frente dos ritmistas pelo terceiro ano consecutivo.

A escola iniciou seu desfile ainda na madrugada, usando alegorias que brilhavam no escuro. A outra metade da apresentação foi realizada já com amanhecendo. A Viradouro encerrou as apresentações do Grupo Especial do Rio de Janeiro.

*G1/FOTO:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe

Assine Grátis!

spot_imgspot_img

Popular

Relacionandos
Artigos

Rihanna, Zuckerberg: Pré-casamento de herdeiro do homem mais rico da Ásia reúne ícones pop, titãs tech e mais

Chefes globais da tecnologia, titãs da indústria, estrelas de...

Na Celac, Lula cita ‘carnificina’ e propõe moção pelo fim do ‘genocídio’ em Gaza

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs nesta sexta-feira...

Soroterapia vira hit nas redes com promessas milagrosas, mas médicos alertam para falta de evidências e riscos graves à saúde

Você já ouviu falar em soroterapia? A suplementação, administrada...

GP do Bahrein: Verstappen leva primeira pole da F1 2024; veja grid

Treino é treino, classificação é classificação, corrida é corrida....